Seguidores

segunda-feira, 1 de março de 2010

"O Menino e o Velho. O milagre do Amor !!!"


Poeta Cigano

O senhor Perácio, com seus setenta anos bem vividos, aposentado, vive com a esposa, a filha e, o neto numa casinha num bairro operário da cidadezinha de Santa Cruz.
Nos fundos do quintal, montou uma improvisada oficina de soldagens, para fazer uns biscates e completar a renda, mantendo-se em atividade. Sempre falava para dona Mercedes, sua esposa, que aquilo era seu elixir da vida. Um modo de ocupação de tempo.
Seu neto Tiago, de apenas quatro anos, é a menina dos seus olhos e ele, além de avô coruja, um emérito contador de histórias. Sempre estavam juntos. Amavam-se.
À noite, após cada história, eles rezavam juntos e ele só saía dali após o netinho adormecer, quando o cobria e apagava a luz.
-Sonhe com os anjinhos, meu filhinho! Falava ele quase num sussurro ao seu ouvidinho, dando-lhe em seguida um beijo em sua face rosada com um sorriso paternal.
A filha ficara viúva muito cedo e fora morar com eles. Certo dia, o menininho foi tomado por uma febre alta e incontrolável. Como os remédios caseiros, tão úteis, não resolveram, tiveram que levá-lo para o hospital. Após alguns exames, descobriram uma doença rara em seu organismo. Aí foi uma choradeira geral.
Diante daquela situação emergencial, os médicos, de imediato, iniciaram os procedimentos de cura. Não podiam perder muito tempo.
A partir desse dia, muito desconsolado, o avô não desgrudava da cadeira ao pé da sua cama, com o livrinho de história em suas mãos. Quando Tiaguinho abria os olhinhos, o bom velho e dedicado avô, com o coração amargurado e ferido, forjava uma alegria que não passava despercebida pelo garotinho que, em silêncio, compreendia. Nesse instante:
-Meu filhinho, vovô chegou e como sempre vai te contar histórias diferentes e divertidas! Só nós conhecemos essas histórias! Somos sócios nesse segredo! Fechado?
O garotinho, quase num sussurro por ainda estar sob efeito de medicamentos, tenta ensaiar um pequeno sorriso e responde bem lentamente.
-Fechado, vovô! Não vou contar pra ninguém nosso segredo, nem pra mamãe nem pra vovó!
O tempo passa e aquela rotina seguia seu rumo. Até que, um belo dia, a equipe médica resolve chamar e reunir a família para dar as boas novas. A infecção regredira e, o menininho, muito mais cedo do que o esperado, teria alta. E para alegria de todos, o fato aconteceu. Ele já se encontrava em casa se restabelecendo ao lado de seus familiares e, sabidamente do avô. Em pouco tempo já era outro: Brincava, corria e fazia de tudo.
Quando tudo voltara à normalidade e parecia ir às mil maravilhas, é a hora do avô adoecer. Ele tinha um problema coronário e teve que ser internado às pressas também.
Tiaguinho, inconsolável, passou a chorar pelos quatro cantos da casa. O avô era tudo para ele. Não podia ir ao hospital com a sua mãe, porque ela não queria chocar seu coraçãozinho vendo o avô naquela situação. O homem ficava a maior parte do tempo desacordado a poder de medicamentos. A doença era grave e sem previsão de cura.
Mesmo pequenininho, ele era muito esperto e conseguiu seguir a mãe. Ouvira o número oito como sendo o do quarto do avô. E como o velho o tinha ensinado a contar até dez, ele saberia achar o tal quarto. Já no local, se esgueirando por entre paredes e pilastras, alcançou o primeiro andar e logo avistou o número procurado. Numa correria desenfreada e pegando a todos de surpresa, ele entrou no quarto e se aproximou da cama do avô que, por sinal, naquele momento, estava acordado. Com o livrinho dobrado sob os bracinhos, ele falou com aquela vozinha chorosa e lágrimas nos olhinhos azuis e brilhantes:
-Vô, vô, vim te contar aquelas histórias pra você ficar bom também! Aquelas do nosso segredo que me curou, lembra?
Ao escutar aquilo e, ver o netinho folhear aquele livrinho sem ainda saber ler, o ancião não resistiu e foi às lágrimas, conseguindo com muitas dificuldades respondê-lo:
-Meu filhinho querido, conte essa sua história tão linda e maravilhosa! Estou precisando muito! Você vai me curar, Tiaguinho! Conte!
-Não, vô! Eu não vou curar o senhor! Esqueceu? É a história, é ela! É ela que cura! A mesma que fez eu ficar bom, lembra? Retruca o menininho exibindo um sorriso inocente de felicidade em seu rostinho, atento e, folheando as primeiras páginas do livreto.
A avó e a mãe do garotinho vendo aquela cena emotiva resolvem, a partir dali, a levá-lo em suas visitas, deixando assim o menininho e seu avô radiantes.
Para nova surpresa de todos, alguns meses depois, o quadro do paciente apresentava acentuadas melhoras. Como estava bem debilitado e desenganado, os médicos ficaram sem entender essa franca recuperação em tão pouco tempo e, passaram a creditar o fato a milagres.
O homem então logo recebe alta e, agora, por imposição de Tiaguinho, passaram a se revezarem nas narrativas, porque essas histórias, as do segredo, não os deixam adoecerem.

9 comentários:

Nelma disse...

Olá Carlos, boa tarde. Esse conto é muito emocionante e verdadeiro. O amor tem o poder de curar e fazer qualquer ser humano se reerguer e começar de novo. Parabéns. Beijão.

Eriem Ferrara disse...

Uma história que emociona deixando-nos um legado rico e compensador o "amor" sem dùvidas é capaz de grandes feitos e porque nao dizer grandes milagres. Parabéns amigo, além de poeta, voce se revela um talentoso contista. Beijo!

Conceição disse...

Emoção que nos deixa com os olhos marejados e a emoção fala mais alto
Belissimo conto, uma verdadeira lição de amor
Parabens poeta querido, amei de paixão

bjos

Ceição Bentes

CARLA FABIANE... disse...

oi poeta!
que lugar encantador!
cheio de amor e luz...
ver, viver e reviver...
muito amor e beijos poéticos...

MARIA L. BÓZOLI disse...

Olá amigo!

Selinho "PAZ NO MUNDO"

BUSQUE-O AKI
http://poesiaseternas2.blogspot.com/

Apenas um carinho meu....Beijos!

Inez disse...

Boa noite poeta, Parabéns, seu conto é muito bonito, adorei a leitura, beijos da amiga Inez.

Lucia Constantino disse...

Carlos, meu querido amigo, o amor tem esse poder, sim... até os animais sentem isso -- um cãozinho abandonado tem os olhos mais tristes do mundo (imagie uma criança!) -- o amor cura, eleva, ascende, traz tudo de novo à vida -- nada o compra, porque ele jamais terá preço. Sua história é emoção pura, muito bem contada, tudo foi dito -- o essencial foi dito. Amei! Beijos, poeta, obrigada pelo teu carinho e atenção sempre!

Jana G. disse...

Acolhedor e simpatico teu cantinho.Vim dá um passeio mas,vi que dá pra se fazer uma viagem por aqui.Lindo conto.O Amor é realmente um dos maiores milagres da vida.
Abraços poeticos

Triste Flor disse...

Que lindo, uma prova de que o amor vence qualquer barreira e a fé tem o poder de nos devolver a vida, encantada com o blog, com as palavras com a presença... bjus e meu carinho.